Lançamento | Série América: Arquitetura



Sobre o Bloco

O bloco é formado por quatro fotos de postais que retratam exemplares da arquitetura carioca localizados na área portuária do Rio de Janeiro. Na parte superior esquerda é possível ver um detalhe do exuberante altar da Igreja de Nossa Senhora de Montserrat, localizado dentro do Mosteiro de São Bento. Logo abaixo está focalizado o moderno Museu do Amanhã. Ao lado direito, na parte superior, está o MAR - Museu de Arte do Rio, com um VLT completando a paisagem urbana. E por fim, no quadrante inferior direito, o histórico Cais do Valongo. As técnicas usadas foram fotografia e arte digital.


Série América - UPAEP: Arquitetura

O Rio de Janeiro apresenta em seus 1.204 quilômetros quadrados de área, exuberante natureza, com 84 quilômetros de praias, três maciços - Pedra Branca, Tijuca e Gericinó/Mendanha – e dezenas de parques públicos. Há também inúmeros monumentos, museus, igrejas e belos edifícios, construídos em todos os períodos da sua história e ainda preservados, fazendo dela um museu a céu aberto em todas as regiões. Tendo em vista esta combinação tão especial, o Rio recebeu da UNESCO o título de Patrimônio da Humanidade na categoria Paisagem Cultural Urbana – Paisagens cariocas entre a montanha e o mar - em 2012. Em 2019, a cidade foi novamente reconhecida como referência arquitetônica mundial pela UNESCO, título até então inédito no mundo. Por isso, neste ano de 2020, na Série América, os Correios homenageiam esta importante cidade, que se destaca por ter representação de 5 séculos de arquitetura e ter eminência histórica desde os tempos coloniais.

O Rio de Janeiro tem exemplares que representam a arquitetura brasileira de todos os períodos, o que justifica sua escolha para emissão postal. Fundada em 1º de março de 1565, foi capital do vice-reinado de 1763 a 1808. A partir deste ano, tornou-se sede do Império Português, e posteriormente, capital da República até 1960. Tendo em vista esta importância política, a cidade recebeu muitos investimentos em obras públicas de infraestrutura, embelezamento e equipamentos públicos ao longo destes séculos.

Sua arquitetura civil – de residências, palácios e prédios públicos - fabril, bem como a religiosa, sofreu influência de diversos movimentos arquitetônicos europeus que se sucederam ao longo dos anos, tais como barroco, rococó, neoclássico, eclético, art decó, até chegar ao modernismo carioca, que ganhou repercussão internacional devido à grande qualidade e criatividade das obras de Lucio Costa, Oscar Niemeyer, Jorge Moreira, Irmãos Roberto, Sergio Bernardes, entre outros.

Para representar a arquitetura brasileira e carioca nestes selos, foram escolhidas quatro fotos da zona portuária, vizinha ao Centro, também conhecida como Porto Maravilha, demonstrando a evolução urbana da cidade, bem como destacando uma região do Rio de Janeiro que possui representação de diversos séculos de arquitetura.

A primeira localização escolhida apresenta o exuberante altar mor rococó talhado a ouro da Igreja de São Bento, que contrasta com a austeridade das suas fachadas. Situada na rua Dom Gerardo, 68, a obra foi iniciada em 1617, representa o período colonial e é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN, desde 1938.

A segunda apresenta o sítio arqueológico Cais do Valongo, na rua Barão de Tefé. Reconhecido pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade em 2017, este sítio, aberto ao público, faz parte do circuito cultural e turístico denominado Pequena África, e mantém viva a memória do desembarque de centenas de milhares de africanos escravizados nos séculos passados e sua importância na constituição da cidade.

A terceira representa a própria evolução urbana da região, com a praça Mauá reurbanizada, o Veículo Leve sobre Trilhos e o Museu de Arte do Rio – MAR, projeto do escritório Bernardes + Jacobsen Arquitetura, que reabilitou edificações de diferentes estilos e períodos do século XX em um importante museu municipal, com atividades artísticas e educativas no século XXI.

A quarta foto, com a praça Mauá e o Museu do Amanhã, obra do arquiteto espanhol Santiago Calatrava, representa a renovação dos espaços públicos da região portuária, palco de inúmeros eventos e com enorme potencial turístico.

Com estes selos, celebramos o Rio de Janeiro, seu passado, presente e futuro.

Valeria Magiano Hazan

Arquiteta e Urbanista - Mestre em Urbanismo / PROURB/ UFRJ


Detalhes Técnicos

Edital nº 16

Fotos: Alexandre Madeira/Riotur

Arte-finalização: Jamile Costa Sallum/Correios

Processo de Impressão: ofsete

Papel: cuchê gomado

Bloco com 4 selos

Valor facial: R$ 2,45 cada selo

Tiragem: 60.000 blocos

Área de desenho: 44 x 26mm

Dimensão do selo: 44 x 26mm

Dimensão do bloco: 210 x 148mm

Picotagem: 11 x 11,5

Data de emissão: 8/11/2020

Local de lançamento: Rio de Janeiro/RJ

Impressão: Casa da Moeda do Brasil