Lançamento | Signos do Zodíaco – Mandala


Sobre os Selos

A arte da folha é composta pelos 12 signos já emitidos em selos individualmente, formando uma mandala com os quatro selos centrais. O selo da parte superior esquerda apresenta os signos de Peixes, Áries e Touro, bem como seus planetas regentes (respectivamente Netuno, Marte e Vênus). Na parte superior direita estão os signos de Gêmeos, Câncer e Leão, regidos por Mercúrio, pela Lua e pelo Sol. O selo inferior direito mostra os signos de Virgem, Libra e Escorpião, cujos regentes são Mercúrio, Vênus e Plutão; e por último, o selo inferior esquerdo une os signos de Capricórnio, Sagitário e Aquário, regidos por Júpiter, Saturno e Urano. Todos os selos apresentam ilustração e símbolo de cada signo, e no centro está o Planeta Terra. Foi utilizada a técnica de ilustração digital.


Mandala zodiacal - juntando as peças do quebra-cabeças

Para marcar o ciclo astrológico 2019/2020, os Correios lançaram 12 selos homenageando cada um dos signos do Zodíaco. Agora, ao final dele, brindamos os filatelistas e os amantes da Astrologia com a folha que reúne todos os signos em formato de mandala, esse desenho que fascina e intriga desde a antiguidade.

A palavra mandala tem origem do sânscrito e significa círculo. Sua utilização em práticas espirituais já era observada desde o século VIII, na região do Tibete, onde a mandala, conforme a tradição budista, era considerada uma janela para o autoconhecimento e para a compreensão do cosmo. Entretanto, formas circulares são encontradas em diversas culturas antigas, ligadas a calendários, observações astronômicas e outros ciclos naturais.


Mandala zodiacal

Astronomia e Astrologia já foram uma única ciência. Os astrônomos da antiguidade, acreditando no poder dos astros de reger e influenciar aspectos da vida, dividiram o céu em 12 partes, considerando a órbita dos planetas observada a partir da Terra. Para cada parte atribuíram um signo, de acordo com a constelação avistada naquela determinada região do céu.

Por volta do século XVI a.C., os astrólogos babilônios, utilizando o círculo de 360 graus (um zodíaco de 12 signos similares aos de hoje), desenvolveram efemérides (tábuas de dados astrológicos) que listavam as posições planetárias e eclipses. Mil anos depois, criaram o conceito de astrologia natal, que era visto como um previsor da vida de uma pessoa. O mapa astral, em formato de mandala, reúne todas as informações profundas e inspiradoras sobre um indivíduo e sua personalidade.

Na roda zodiacal está representada a totalidade da experiência humana, onde cada signo indica um tipo básico de personalidade, determinado, entre outros aspectos, pela posição ocupada pelo Sol no momento em que a pessoa nasceu. Cada signo tem seu lado positivo, construtivo (luz), e o seu lado negativo, destrutivo (sombra).

O mapa astral é como uma fotografia do céu no momento do nascimento de uma pessoa. Além dos signos do zodíaco, compõem esse mapa os quatro elementos (fogo, terra, ar e água), as qualidades (cardeal, fixo e mutável) e as polaridades (positivo e negativo), os planetas e suas posições, as casas (12, no total, que equivalem a áreas específicas da vida do indivíduo como “Posses e recursos pessoais”, “Comunicação”, “Ambiente familiar” etc.) e os aspectos (ângulos que se formam criando relações geométricas entre os planetas: conjunção, sextil, quadratura, trígono e oposição).

Juntando todas as partes de um mapa astrológico é possível perceber o que é dominante, o que está sob a superfície – essa é a arte da Astrologia: interpretar todos esses elementos.


Astrologia como ferramenta de auto-conhecimento

A Astrologia já foi ensinada em faculdades e universidades como especialização e era matéria exigida para estudantes de medicina até o fim do século XVII. Hoje, é usada em vários aspectos da vida. Não se trata de adivinhação, mas de uma ferramenta que auxilia na busca pelo autoconhecimento. O mapa astral não define nem rotula um indivíduo, mas explica comportamentos e funciona como um guia, indicando às pessoas os caminhos a seguir para aumentar o seu bem-estar.

Fato é que a Astrologia tem ganhado força, impulsionada pelo movimento crescente de pessoas que buscam o autoconhecimento e a chave para a realização do seu propósito de vida, que acreditam estar dentro e não fora de si.

Como disse o astrólogo Oscar Quiroga: “Fazendo bom uso da Astrologia chegaremos, um dia, a pensar em nós mesmos integrados ao Universo, diferente do que é agora, em que a palavra Universo parece se referir sempre a eventos muito distantes e intangíveis”.


Detalhes Técnicos

Edital nº 5

Arte: Adriana Shibata

Processo de Impressão: ofsete + tinta especial prata

Papel: cuchê gomado

Folha com 4 selos

Valor facial: 1º Porte Carta Comercial

Tiragem: 240.000 selos

Área de desenho: 35,5 x 35,5mm

Dimensão do selo: 38 x 38mm

Picotagem: 11,5 x 11,5

Data de emissão: 19/3/2020

Local de lançamento: Brasília/DF

Impressão: Casa da Moeda do Brasil



About the Stamps

The artwork of the sheet is composed of the 12 zodiac signs already issued in individual stamps, making a mandala with the four central stamps. The stamp on the upper left shows the zodiac signs of Pisces, Aries and Taurus, as well as their ruling planets (respectively Neptune, Mars and Venus). On the upper right are the zodiac signs of Gemini, Cancer and Leo, ruled by Mercury, the Moon and the Sun. The lower right stamp shows the zodiac signs of Virgo, Libra and Scorpio, whose rulers are Mercury, Venus and Pluto; and finally, the lower left stamp unites the zodiac signs of Capricorn, Sagittarius and Aquarius, ruled by Jupiter, Saturn and Uranus. All the stamps present illustration and symbol of each zodiac sign, and in the center is the Planet Earth. The technique of digital illustration was used.