Lançamento: 200 Anos da Escola de Belas Artes -UFERJ - Rio de Janeiro



Por iniciativa de D. João VI (na época Príncipe Regente), artistas franceses foram contratados e vieram ao Brasil em missão para fundar uma Academia Real de Belas Artes,  nos moldes da Academia Francesa. O decreto de criação foi assinado em 12 de agosto de 1816. O grupo francês ficou conhecido como Missão Artística Francesa, e,  em razão de sua importância , também foi homenageado com a emissão de uma quadra de selos,  em 26/03/2016.


Os selos em homenagem ao bicentenário da  EBA foram criados por Rui de Oliveira, designer, ilustrador, professor e ex-aluno da Escola de Belas Artes da UFRJ.  São 2 selos, em formato de se-tenant, que destacam imagens representativas de aspectos fundamentais da conceituação da história e das atividades artísticas desenvolvidas na EBA.


Para a criação da arte, o artista utilizou unicamente processos artesanais como guache, colagem de retícula, frotage e monotipia, evitando qualquer recurso digital, por considerar que a arte estará, sempre, muito acima de questões e recursos tecnológicos.


No primeiro selo, vê-se o detalhe central da fachada da Escola Imperial de Belas Artes e, abaixo, em primeiro plano, uma representação das tradições da Escola, a partir das tendências da arte contemporânea, por meio de manchas coloridas, formando um bloco na base inferior do selo. Acima da fachada, visualizamos as nuvens, concebidas a partir de colagem de retículas, processo usado, oficialmente, pela primeira vez no cubismo.


O segundo selo foi inspirado nos significados e nobreza da Estátua de David, de Michelangelo, em cuja cabeça o artista fez uma releitura usando fotolito com tinta de PVA, pintada no verso, significando a modernidade e alguns movimentos importantes da arte contemporânea, como o abstracionismo informal - por meio de manchas - frotage e monotipia - em tempera ao ovo. Encontram-se representados, nessa concepção, ainda, o expressionismo abstrato, o futurismo e o abstracionismo geométrico, bem como formas geométricas próprias do neoplasticismo, vorticismo, De stijl e construtivismo russo, movimento fundamental da arte contemporânea.


SOBRE OS SELOS


Os selos desta emissão foram criados por Rui de Oliveira, designer, ilustrador, professor e ex-aluno da Escola de Belas Artes da UFRJ. Os selos, em formato de se-tenant, destacam imagens representativas de aspectos fundamentais da conceituação da história e das atividades artísticas desenvolvidas na EBA. Para a criação dos selos, o artista utilizou unicamente processos artesanais como guache, colagem de retí-cula, frotage e monotipia, evitando qualquer recurso digital, por considerar que a arte estará, sempre, muito acima de questões e recursos tecnológicos. No primeiro selo, vê-se o detalhe central da fachada da Escola Imperial de Belas Artes e, abaixo, em primeiro plano, uma representação das tradições da Escola, a partir das tendências da arte contemporânea, por meio de manchas coloridas, formando um bloco na base inferior do selo. Acima da fachada, visualizamos as nuvens, concebidas a partir de colagem de retículas, processo usado, oficialmente, pela primeira vez no cubismo. O segundo selo foi inspirado nos significados e nobreza da Estátua de David, de Michelangelo, em cuja cabeça o artista fez uma releitura usando fotolito com tinta de PVA, pintada no verso, significando a modernidade e alguns movimentos importantes da arte contemporânea, como o abstracionismo informal - por meio de manchas - frotage e monotipia - em tempera ao ovo. Encontram-se representados, nessa  concepção, ainda, o expressionismo abstrato, o futurismo e o abstracionismo geométrico, bem como formas geométricas próprias do neoplasticismo,  vorticismo, De stijl e construtivismo russo, movimento fundamental da arte contemporânea.


ABOUT THE STAMPS


The stamps of this issue were created by Rui de Oliveira, designer, illustrator, teacher and former student of the UFRJ School of Fine Arts. The stamps in the se-tenant format, highlight representative images of key aspects of the concept of history and artistic activities in the EBA. For the creation of stamps, the artist only used handmade processes like gouache, collage reticle, frotage and  monotype, avoiding any digital resource, considering that art is always, well above issues and technological resources. In the first stamp sees the central detail of the facade of the Imperial School of Fine Arts, and below, in the foreground, a representation of the School traditions, from the trends of contemporary art, by means of colored spots, forming a block the lower base of the stamp. Above the facade, we see the clouds, designed from reticles bonding, process used officially for the first time in cubism. The second stamp was inspired by the meaning and nobility of David Statue of Michelangelo, on whose head the artist made a reinterpretation using photolithography with ink PVA, painted on the back, meaning modernity and some important movements of contemporary art, as abstractionism informal - through spots – frotage and monotype – In tempera the egg. Are shown in this design, still, abstract expressionism, futurism and geometric abstraction, as well as own geometrical shapes neoplasticism,  vorticism De Stijl and russian constructivism, fundamental movement of contemporary art.


DETALHES TÉCNICOS


Edital nº 14

Arte: Rui de Oliveira

Processo de impressão: ofsete

Se-tenant com 2 selos

Papel: cuchê gomado

Valor facial: R$ 1,70 cada selo

Tiragem: 480.000, 240.000 de cada selo

Área de desenho: 27,5mm x 35mm

Dimensão do selo: 30mm x 40mm

Picotagem: 12 x 11,5

Data de emissão: 12/08/2016

Local de lançamento: Rio de Janeiro/RJ

Impressão: Casa da Moeda do Brasil

Versão: Departamento de Relações Institucionais e Comunicação/Correios