Correios encerram campanha “Papai Noel dos Correios”
21/12/2011
Programação Filatélica 2012 – Emissões dos Correios
09/01/2012
Exibir tudo

Boletim Informativo nº 01 da S.P.P.

O Boletim Informativo da Sociedade Philatelica Paulista completa no próximo mes de Janeiro/2012, 86 anos de existencia, em suas paginas estão escritas boa parte da história da filatelia nacional. Hoje passamos a reproduzir de forma integral os textos nela impressos.
Usamos a grafia daqueles tempos, pois é nosso dever manter viva a memoria filatelica de nossa associação, usamos um pouco de cor nos titulos para uma melhor visualização e é com muito orgulho que nestes textos abaixo vamos descobrindo a grandiosidade da formação da Sociedade Philatelica Paulista.
Aproveitem as informações nele contidas, vejam como a S.P.P. participava e participa até hoje dos grandes eventos filatélicos mundiais.
Este com certeza vai emocionar a todos que participam e fazem a história da nossa sociedade, é o primeiro numero, teremos mais 210 pela frente, e contamos com a colaboração de nossos associados para realizar essa tarefa e manter a memória da S.P.P. em seu devido e grandioso lugar!
Divirtam-se!!!!

________________________________________________________

                               Boletim
da
Sociedade Philatelica Paulista
                                    Orgão Official da S.P.P
nº 01 Janeiro de 1926

Aos nossos prezados leitores

Desde a fundação da S.P.P., cogitou-se de publicar um Boletim, orgão official da Sociedade, para serem estampadas as suas actas e mais trabalhos de socios, sobre philatelia nacional.
Hoje, felizmente, a S.P.P. pode cuidar da publicação da almejada Revista, que entra no rol das collegas do genero, sem pretenções demasiadas, e sem a animosidade de concurrencia; fazendo um appello fervoroso a todos os philatelistas brasileiros para que se esforçam a tornar realidade o que foi sempre o nosso desejo: isto é affirmar, no nosso Paiz e no Estrangeiro, a philatelia nacional.
O nosso programma é, portanto, trabalhar em prol da philatelia brasileira: porem, sem a collaboração de grande parte dos nossos amigos, e dos entendidos, o nosso ideal não poderá realizar-se, e o nosso programma não terá solução satisfactoria.
S.P.P.

________________________________________________________

                          A Numeração dos Sellos

José Kloke

A base geral da numeração dos sellos é a ordem chronologica dos mesmos. Se esta ordem fosse rigorosamente applicada, a data do apparecimento de um sello deveria determinar infallivelmente o seu lugar e o seu numero no Catalogo, e dessa forma deveriamos encontrar, nos differentes Catalogos, o mesmo sello sob o mesmo numero.
Sabemos porém, que isto não acontece, e por isto a ordem chronologica muitas vezes ou é mal applicada_ou simplesmente posta de lado.
Reconhecemos que a applicação da ordem chronologica deve ser feita de uma maneira sensata e criteriosa. Não se pode usar, na sua applicação, de rigor excessivo, que só poderia causar desordem de outra especie e baralhar todos os valores de uma emissão. E’costume geral, catalogar os valores de cada emissão annunciada por decreto commum do valor menor até o mais alto com numeros seguidos.
Esta numeração é independente da apparição dos singulos valores.
Supponhamos que de uma emissão que abrange os valores de 10 Reis até 5000 Réis, tivesse apparecido primeiro o valor de 200 Réis, e só mezes depois o valor de 10 Réis, a praxe geral, que neste caso já tem força de lei, manda catalogar e numerar a emissão começando com o valor de 10 Réis.
Desde que existem Catalogos de Sellos, temos visto, desta maneira, tambem catalogada a nossa segunda emissão dos Inclinados.
Confessamos que só razões especiaes nos induziram a deixar esta numeração antiquissima, que bastante se afasta da ordem chronologica, pois esta emissão realmente não é uma só emissão; abrange duas emissões:
Os valores de 10 – 180 – 300 e 600 Réis, foram creados mais de 2 annos depois da emissão dos valores de 30 – 60 e 90  Réis. Verdade é, que o desenho de todos estes sellos é o mesmo; verdade tambem é, que no longo intervallo entre o apparecimento da primeira e segunda série não houve emissão de qualquer sello de outro desenho, e estes dous factos podem servir para justificar a unificação das 2 series e a patente inverção da ordem chronologica. E é por isto que não mudamos a antiquissima numeração destes sellos nos catalogos.
Desejamos ser conscienciosos na applicação das regras da numeração, mas não somos fanaticos. Respeitamos qualquer razaão justa, só não admittimos arbitrariedades.
Arbitrariedade consideramos querer juntar por força o 20 Réis verde oliva de Janeiro de 1884 com a serie chamada de algarismos de 1885/88. A emissão do sello de 20 Réis, não significava de maneira alguma o inicio da emissão dos sellos de algarismos de 1885/88. Tanto é verdade, que o governo, depois do apparecimento do 20 Réis, não emittio os sellos de 50 e 100 Réis “algarismos”; mas sim o 50 e 100 Réis cabeças do Imperador, além de outro de 10 Réis, tambem com a cabeça do Imperador. O effeito desta arbitrariedade para a ordem chronologica naturalmente é desastrada. O Yvert cita as seguintes emissões: 1882/85 – 1883 – 1883/88 de 1885 volta duas vezes a 1883.
Cousa semelhante, o Yvert faz na emissão da Argentina de 1899/1903 onde cometeu anachronismos certos,collocando uma emissão supplementar de novos valores e côres mudadas, no meio da primitiva emissão, catalogando por exemplo nº118 – 12c bleu, nº 119 – 12c olive nº 124 – 30c carmim, nº 125 – 30c rouge. Se não comettesse na catalogação do Brasil outro erro mais grave ainda degradando sellos typos à variedades teriamos que queixar-nos do mesmo procedimento, pois sob os annos de 1906/15 achamos a nossa emissão de 1915/17 como variedades.
Este erro d Yvert nos sirva de introducção para tratar da outra e mais importante questão; quaes são os sellos, que devem ser numerados?
Cada sello typo deve ter seu numero, que é determinado pela ordem chronologica. As regras para a classificação dos sellos typos nunca foram codificadas.
Não existem leis escriptas decretadas por uma assembléa internacional de philatelistas. Se tentamos, aqui, uma especie de codificação não fazemos nada mais do que uma collectanea methodica dos usos e costumes, que foram observados nos grandes catalogos, na classificação dos sellos. Não nos julgamos authorisados para accrescentar ou tirar alguma cousa, não pretendemos introduzir regras novas, nem abolir alguma das existentes. Se assim mesmo discordamos muitas vezes com a numeração, que encontramos nos Catalogos, isto é devido à incoherencia dos proprios Catalogos, que em certos casos deixam de applicar as regras geralmente por elles seguidas, pondo-se desta maneira em contradição consigo mesmo. Arbitrariedade porem é o inimigo Capital da ordem e da desejada unidade de vistas, _ e por isto impugnaremos a arbitariedade onde a encontraremos.
O Catalogo Stanley-Gibbons não distingue na sua numeração, entre sellos typos e variedades. Dá um numero a cada sello catalogado: seja sello typo ou variedade.
Ninguem pode taxar esta numeração de errada desde que seja feita com methodo e toda a meticulosidade; porem não deixa de ter as suas grandes inconveniencias. Para um collecionador, que não quer especialisar, esta numeração não serve; porque fica quasi obrigado a collecionar as variedades catalogadas. Além disto esta numeração é perigosa, pois em certos casos é quasi impossivel garantir, que a numeração seja completa, pois na catalogação de variedades, uma certa arbitrariedade é quasi inevitavel. Sirva de exemplo a numeração de nossos sellos “Cruzeiro”.
E’ certo, que tem mais variedades de côres de que ás citadas. E’ impossivel evitar arbitrariedades neste methodo da numeração e por isto preferimos o systema de dar um numero sómente aos sellos typos subordinando à cada numero as variedades de cada sello typo. Quaes são os sellos typos? Pouco adiantaria, limitarmos-nos a enumerar os principais distinctivos dos sellos typos. Muito mais nos interessam os casos, nos quaes começa a ficar duvidosa a existencia destes distinctivos e a maneira como resolveram os Catalogos estes casos duvidosos.
(continua)

________________________________________________________


Grupo de Expositores, e parte da Directoria da S.P.P.

                 1ª Exposição Philatelica Nacional
                                  (impressões de um visitante)
S. Paulo, 5 de Dezembro de 1925

Descrever ainda que em breves linhas o que é o interessante concurso promovido pela Sociedade Philatelica Paulista, inaugurado em S. Paulo na quarta feira 2 de dezembro, em comemoração do centenário de D. Pedro II, o seu caracter eminentemente nacional, a sua influencia no elemento paulista, é por certo assumpto para mais elevada competencia do que a nossa; mas ainda assim tentando-o, resalve-nos a modestia um intuito superior:_ guardar nos archivos da philatelia, as caracteristicas desse primeiro certamen, para que um dia o historiador da philatelia nacional não lamente a indifferença da civilisada Pauliceia (a bella segunda capital do Brasil), e por sua vez da Sociedade Philatelica Paulista, pelos thesouros dos nossos sellos, que seria um crime de leso-patriotismo.
Quizeram os esforçados membros da Diretoria da S.P.P. que sobre essa terra sagrada, onde repousam as cinzas de tantos varões ilustres, sobre a terra onde primeiro echoaram os canticos da gente de Piratininga se realisasse a primeira Exposição de Sellos, e para começar, foi organisada a 1ª Mostra Philatelica exclusiva de sellos do Brasil_ Sellos |Postaes, do Imperio e da Republica, provas e ensaios, album e material philatelico fabricado no nosso paiz.
A exhibição esta installada nas 2 amplas salas da séde da S.P.P., e encerrar-se-ha no dia 7. _ Moveis especiaes foram especialmente construidos para exposição de folhas soltas, e coleções em albuns. A Comissão Executiva escolheu o local da Sociedade por ser o mais conveniente para uma exhibição de sellos brasileiros, visto offerecer as vantagens seguintes: muito espaço, salas claras sem receio que os raios do sol possam deteriorar os sellos expostos; seguros contra incendio; e situado em uma rua das mais principaes do centro de S.Paulo.
A inauguração foi feita pelo presidente Sr. William E. Lee, na presença do Exmo. snr. prefeito da cidade, do representante do Presidente do Estado, do director do Museu Paulista, do General comandante a 2ª Região Militar, do representante do Chefe de Policia, do secretario do Interior, do presidente do Instituto histórico e geographico de S.Paulo, do representante da Casa da Moeda, do representante do Instituto historico e geographico brasileiro, do representante da 2ª secçaõ do Museu Historico Nacional, do snr. Administrador dos Correios de S.Paulo, altas personalidades da politica do Estado, e representantes do sexo feminino, além numerosos consocios.
A Sociedade Philatelica Brasileira, mandou, em forma official, uma commissão nas pessoas dos illustres e competentes philatelistas Dr. Campos da Paz e Dr. Ildegardo de Carvalho.
Conversando com o secretario geral da Exposição, nos referiu que contava-se com o apoio de quasi todos os philatelistas das principaes cidades do nosso paiz; e esperava-se que os principaes affeiçoados dos sellos brasileiros tivessem enviado suas colleções para serem expostas. Porem as adhesões tem-se resumido aos socios da S.P.P. o que não diminuiu o patriotico esforço da Commissão Executiva.
Esse emprehendimento que honra á causa philatelica nacional, no entanto, pela importancia das colleções expostas, é uma prova do adiantamento philatelico brasileiro quer seja na qualidade quer seja na quantidade.
Fizemos uma inspecção muito minuciosa de tudo quanto está exposto à admiração dos visitantes. Prendeu a nossa attenção, numa das vitrinas, as colleções de:


Taça Oferecida a S.P.P. pelos Snrs. Sanches E.C.

GUILHERME GUINLE_ talvez a mais rica de sellos novos e usados do Brasil: os classicos “Olhos de Boi” _ primeira emissão, de 1843 entre os quaes figuram:

Tira vertical de 20 exemplares do “60 réis” – usada
Tira horizontal de 5 exemplares do “90 réis” – nova
Bloco de 12 do “90 réis”- novos
Bloco de 12 do “90 réis”- usados
Bloco de 4 do “30 réis”- novo
Bloco de 6 do “30 réis”- usados
Bloco de 6 do “60 réis”- novo
Tira de 5 do “60 réis”- novo
3 Blocos de 4 do “60 réis”- novo
Bloco de 9 do “60 réis”- usados
Bloco de 8 do “90 réis”- usados, e outras peças raras que pertenceram à colleção do Cel. Napier.

Da segunda emissão, do 1844, “Inclinados”, temos vistos:

Tira de 4 do “180 réis” – nova
Par do “180 réis” – nova
Bloco de ? do “180 réis”, com carimbo vermelho
Bloco de 6 do “180 réis” – usados com carimbo “Cidade de Nictheroy”
Bloco de 4 do “300 réis” – novos
Par do “300 réis” – usado
Bloco de 4 do “600 réis” – novos
Bloco de 4 do “600 réis” – usados
Tira de 3 do “600 réis” – usada
Par do “600 réis” – novo, e grande quantidade de pares, blocos do 10, 30, 60 e 90 inclinados, o todo avaliado em mais de 400 contos.

Outra coleção, especialisada, somente das 3 primeiras emissões, é a do snr.
Edgard Conceição_

Da emissão de 1843 admira-se 2 folhas: uma com exemplares novos, outra usados de “30 réis” “60 réis” e “90 réis” alem de:
Bloco de 50 exemplares do “60 réis” inclinado com carimbo de “Nictheroy”
Bloco de 24 exemplares do “90 réis” inclinado com carimbo preto – outro bloco igual
Bloco de 10 exemplares do “30 réis” inclinado novo
Bloco de 22 exemplares em 2 tiras verticais do “90 réis”, olho de gato c/ carimbo “Thesouraria do Correio Geral
Bloco de 36 exemplares do “60 réis” olho de gato
Bloco de 30 exemplares do “10 réis” olho de gato novos
Bloco do “10 réis” azul (duas tiras horizontais) com carimbo “Prata”
Bloco de 18 exemplares do “30 réis” inclinado novo
Bloco de 72 exemplares do “60 réis” olho de gato com carimbo “Taquary”
Bloco de 40 exemplares do “60 réis” inclinado carimbo vermelho “Nictheroy”
Par do “300 réis” inclinado novo c/ goma 1ª Tiragem, chapa nitida
3 exemplares do “300 réis” inclinado novos
1 exemplar do “180 réis” inclinado novo
1 exemplar do “600 réis” inclinado novo
Bloco de 4 do “430 réis” novo (maravilhosa peça)
Bloco de 4 do “280 réis” novo
Par maravilhoso, margem inferior da folha do “430 réis” denteado sobre documento completo; carta endereçada ao “Marchese Giuliano Capranico del Grillo – Firenze.
Alem de outras maravilhosas peças de “Olho de Boi” em pares, tiras, blocos etc _ tudo avaliado em 85 contos de réis.


1ª Exposição Philatelica Nacional – Monstruario – Sala nº 1

Alem das citadas colleções especialisadas, nota-se a colleção geral de:
William E. Lee (Presidente da SPP), cuidadosamente feita com exemplares de 1ª escolha, sendo unanime a admiração dos visitantes. Material extra-fine, avaliado em mais de 25 mil dollars.
Relação das principaes peças:

Bloco de 12 exemplares do “90 réis” Olho de Boi usado
Retalho de sobrecarta. Peça unica pela frescura e maravilha de conjunto: 2 exemplares maravilhosos do “600 réis” inclinado, 1 exemplar do “300 réis” inclinado, 1 exemplar do “90 réis” inclinado, e 2 exemplares do “30 réis” inclinado.
Tira vertical de 8 do “180 réis” olho de gato (1850)
Bloco de 6 do “600 réis”
Bloco de 6 do “430 réis” amarello
Bloco de 4 do “80 réis”, goma azul novo, todos os sellos azulados pela goma, peças maravilhosas de frescura e bem centrados.
Bloco de “10 réis” não percê não dentrado papel teinté em azul, folha de 100 exemplares de “20 réis” de 1878.
2 Tête-Bêche em blocos de 6: um com o classico traço no rosto, outro sem.
Bloco de 18 exemplares do “700 réis” de 1878, novo com goma. Grande bloco do “300 réis” olho de gato.
Alem das peças referidas ha grande quantidade de Olhos de Boi, novos e usados, e todas as maiores raridades do Brasil, e variedades.

Collecção J. Kloke

1º Volume: bella pagina de “Olhos de Boi”, encimada por uma tira de 3 sellos novos de 30 réis;
Inclinados, sendo o 90 – 180 – 300 novos, de extraordinária belleza assim como a emissão seguinte encontra-se 2 vezes completa em papel differente.
Folhas com blocos, destacando-se:
1 bloco de 12 do 10 réis inclinado
1 bloco de 4 do 90 réis inclinado
1 bloco de 9 do 10 réis azul, com carimbo “Diamantina”
As emissões com effinge do Imperador, em exemplares novos.
1 Bloco de 8 do 10 réis, não percé não denteado, peça muito rara.
1 Bloco de 4 com carimbo, AUS BRASILIEN
Um par de 700, em cor mais escura.
Da emissão “Cruzeiro” encontramos a colleção completa de côres e tonalidade de côres. Do 50 réis temos vistos mais de 25 matizes.
Emissão 1891, com todas as differenças de côres e papeis; sobresahindo os erros principaes: Têtes-Bêches,quadros invertidos; “CORRBIO”; impressões no verso, etc.
Emissão de 1893, alguns com centro branco.
Emissão de 1894-97, com estudo completo das cabeças que foram utilizadas para o sello de 100 réis; e dos retoques do quadro. Desta emissão, e da emissão de 1900, todas as falsificações de 100-200-300-500 usadas no Correio.
Provisorios 1898: um 20 réis, Jornaes – em relevo, sem tinta verde,sobretaxado”50″.
Nas ultimas folhas deste 1º volume, encontramos um archivo de raridades: um 500 réis de 1866, sobre carta, com a legenda “Quinhentos Réis”, por cima da cabeça. Uma quadra dos sellos de “Cabo Frio” não denteada. Um sello de 100 réis “Cruzeiro” com a cor do 300 réis, grande raridade. Erros das emissões modernas, como o sello commemorativo do “Equador” sem a cor vermelha. Um par do 300 emissão em curso, com impressão dupla. Bellos ensaios de 1866 á 1918.
2º Volume: Blocos dos sellos do Brasil.
Outros 2 volumes, estão cheios de material para estudos. Colleção de carimbos; estudo sobre defeitos de chapas da emissão de 1894; sellos sobre cartas, desde os “Olhos de Boi” até os nossos tempos; e realmenteuma das boas collecções expostas, quer pela raridade nella contida, quer pela classificação dada aos sellos, evidenciando no expositor grande cultura na sciencia de colleccionar.

Collecção Alfried Weiszflog

Um grande volume com todas as raridades do Brasil, destacando-se mais de 100 exemplares de “Olhos de Boi” e um album pequeno com a collecção de sellos typos do Brasil, novos.

Collecção Dom. Paladino

Collecção em blocos de 4, dos sellos da Republica; é uma das mais completas que temos visto, disposta em 6 albuns:

1ºVolume – 1890 – “Cruzeiro” – em Blocos de 4. Estudo sobre os mesmos quanto ás matizes, denteações, papel, erros e variedades: Série de 1891 e 1893 Tête-bêche vertical novo; Tête-bêche horizontal novo.
Falsificações do Tête-bêche e do quadro invertido. Bloco com “CORBIO” e transparente.
2ºVolume – Blocos da serie de 1894, completa. Outros blocos da mesma serie com differentes denteações, papel, filigrana, erros e variedades.
Transparentes, impressão no verso, 1894 – 100 reis, com cabeças differentes:
Bloco de 12, novo, 100 réis de 1894.
3ºVolume: Blocos “Jornaes” sobretaxados 1898; ERROS
Blocos “Cruzeiro” sobretaxados 1899.
Serie de 1906, em blocos de 4, de 6, e de 8.
4ºVolume: Blocos de 4 “Jornaes”, commemorativos e officiaes.
5ºVolume: Taxa Devida, novos e usados. Blocos de 4.
Blocos com variedades de denteações, matizes, papel, filigrana etc.
6º Volume: Blocos de 4 das ultimas emissões. Transparentes, variedades, impressão no verso.
Ensaios-Carimbos.
Algumas quadras de sellos do periodo Imperial e varias raridades.

Collecção Cassio Muniz

Bello material em 2 grandes volumes, destacando-se:
Exemplares “Olhos de Boi” em pares tiras e blocos.
“Inclinados”, varios bellos exemplares. “280” em bloco de 4.
Bloco de 20 exemplares do “260” de 1876.
Bloco de 12 exemplares de 100 réis verde idem.
Bloco de 25 exemplares de 10 réis vermelho idem.
Bloco de 16 exemplares do 200 réis de 1885.
Bloco de 15 exemplares do 100 réis de 1883 não denteado.
Varios Têtes-bêches.
“Jornaes” sobretaxados, todos os erros, inclusive o 700/700.
Bloco de 4 do 700/500 – 2 não sobretaxados
Bloco de 12 do 500 réis – Jornaes – verde.
Bellos ensaios.


1ª Exposição Philatelica Nacional – Monstruario Sala nº 2

Collecção do Cap. G. Teixeira Favilla

Serie de envelopes com carimbos de franquia postal, usadas pelas forças legaes, em operações contra os rebeldes nos Estados de S. Paulo, Paraná, Santa Catharina, Goyas e Mato Grosso.

Collecção Dr. Mario de Sanctis

Um admiravel estudo sobre os Carimbos e Marcas Postaes do Brasil, em 40 folhas soltas, deparando-se devidamente classificadas, pela forma do desenho com:
Carimbos mudos, isolados ou sobre carta.
Carimbos com legenda das localidades.
Os dois carimbos precedentes no mesmo sello.
Carimbos sobre cartas.
Carimbos anteriores a emissão do sello.
Reconstrução de carimbos.
De um só exemplar com parte de uma obliteração conseguindo restaurar integralmente a obliteração.
Bellos ensaios e provas de côres.
Estudo Completo sobre o 100 réis de 1894. Differentes Cabeças.
Como os affeiçoados sabem, estes sellos são communs, porem difficeis a classificar; sendo mister ser bastante perito para seleccional-os devidamente.

Figuram nas diversas collecções citadas, bellos exemplares de Tête-Bêche, quadros invertidos; deplacés. Admiraveis 2 blocos de 6, apresentados pelo Snr.Rosenhaim, – Tête-Bêche – um dos quaes sem o classico traço que caracterisa a maioria dos existentes.
Os diversos concurrentes appresentam folhas com sellos communs todos tendo importancia, debaixo do ponto de vista philatelico.

A Secção de Negociantes é condignamente representada pela:

CASA PHILATELICA J. DOLZ
Proprietarios Sanches e C.

Os proprietarios desta antiga Casa Philatelica, além do mostruario de material philatelico, puzeram em mostra 19 folhas, cuidadosamente preparadas, pelas quaes o colleccionador poderá orientar-se quando quizer especialisar uma ou outra serie de sellos do Brasil; ou dedicar-se ás matizes, as denteações, ás qualidades de papel; aos blocos; aos carimbos, etc etc – Temos visto
Os 1º sellos do Brasil. “Olho de boi” de 1843; Os “Inclinados”; série de 1844, sobresahindo um exemplar do 180 c/ carimbo da Corte, preto; um exemplar de 300 c/ carimbo de Corte, vermelho; 3 bellos exemplares do 600; e dois maravilhosos exemplares do 600 sobre retalho de carta c/ carimbo duplo nitido da Corte; 2 exemplares de 280; e 3 do 430, um dos quaes “acordeon”; Tête-Bêche – vertical, usado (raro) Collecção de erros e curiosidades, tendo aqui visto, pela primeira vez, um exemplar do 1000 réis “Typo Mercurio” de 1894 denteado 5,1/2 x 7.
As folhas 12, 13 e 14 todas c/ carimbos; uma folha de phantasias philatelicas, e recortados;Sellos com falsa sobretaxa, da serie de 1898; Transparentes, Ensaios Reimpressões; Falsificações; e sellos alterados por processos chimicos; 1 folha do 100 réis do “4º Centenario” não denteada; Digna de menção a offerta que Sanches e C. fez d’uma taça de prata á Directoria da Sociedade Philatelica Paulista, por ter-se esforçado em realizar a primeira Exposição philatelica brasileira, nesta cidade.
Aos visitantes o Snr. H Sanches offerecem um brinde, constituido de um “calendario-philatelico” – recordação da visita a Exposição.


1ª Exposição Philatelica Nacional – Monstruario da Casa Philatelica “J. Dolz”

Hors Concours foi appresentada a magnifica collecção de Carimbos do Brasil do Dr. Campos da Paz, que acolhendo o appello lançado pelo Snr. Dr. Mario de Sanctis recolheu com admiravel dedicação e bastante inteligencia bellissimos specimens, quasi todos sobre retalhos de cartas, dignos de admiração, evidenciando seu possuidor grande cultura cuidada em colleccionar este novo ramo da philatelia nacional.
Os membros do Jury, manifestaram-se que tomarão conta não só da raridade e riqueza das collecções, como tambem da perfeição dos objetos expostos, assim como a limpeza, a exactidão da disposição, os estudos cuidadosamente feitos,- sejam tambem sobre o sello mais comum – do methodo empregado na colleção, e dos conhecimentos philatelicos dos expositores.
Todos os sellos estão expostos em vitrinas fechadas a chave, e em quadro; não sendo possivel deteriorações, tendo a S.P.P. cuidado tambem do seguro contra incendio. Os objectos expostos que exedem o valor de 1500 contos, são vigiados dia e noite.
Os illustres representantes da Sociedade Philatelica Brasileira do Rio de janeiro, com visivel satisfação manifestaram-se com as seguintes palavras: “…no assumpto especial da Exposição de sellos do Brasil, a Sociedade Philatelica Paulista apresento-se digna dos maiores louvores. Acreditamos que nem na Europa actualmente existem as peças que tivemos a satisfação de apreciar em S.Paulo.
Não ha duvida, portanto, que a philatelia têm-se imposto no nosso Paiz de uma maneira admiravel; ella para a creança, foi mero passatempo, para o homem, hoje, é motivo de investigações scientificas, como temos deparado nessa 1ª Exposição realisada com tanto exito pela Sociedade Philatelica Paulista.

________________________________________________________

         EXPOSIÇÕES PHILATELICAS INTERNACIONAIS,
DE
PARIZ E MONTREAL

Em Paris, no mez de maio de 925 realizou-se mais uma Exposição philatelica internacional no Pavilhão de Marsan; e na cidade de Montreal no mez de outubro, realizou-se a 3ª Exposição philatelica canadense na sala “Dorée” do Mont Royal Hotel. As revistas do genero já noticiaram o que foi um e outro certamente nossa sciencia, e o exito obtido principalmente pela competencia e capacidade das Comissões Organizadoras.
Mencionamos aqui que a S.P.P. obteve na primeira um Diploma com medalha de bronze; e na segunda uma medalha de bronze e um diploma de Menção Honrosa.
Por este motivo temos recebido numerosas congratulações pelas quaes, por intermedio da nossa redacção agradecemos penhorados. S.P.P.


A S.P.P. obteve Diploma com medalha de bronze em Pariz.


Em Montreal Medalha de Bronze e Diploma de Menção Honrosa.

________________________________________________________

O Catalogo Yvert de 1926

Sempre foi dificil arranjar a collecção do Brasil pelo catalogo Yvert devido a muitos erros na classificação e numeração dos sellos, porem nestes ultimos annos a confusão, a arbitrariedade e os erros palpaveis chegaram a tal ponto, que fica simplismente impossivel guiar-se por este catalogo tomando-o de base para fazer uma collecção pouco mais ou menos em regra.
Já desde ha muitos annos no catalo Yvert-Tellier a numeração dos sellos do Brasil estava errada. Catalogava variedades como sellos typos, dando-lhes um numero especial; e rebaixava sellos genuinamente typos, de emissões e desenhos differentes, á simples variedades. Veja-se por exemplo no catalogo de 1915, sob o nº 93 o 500 sobre 300, sobretaxa azulada, como sello typo como emissão especial; e sob o nº 22 “Jornaes”, o sello de 10 Réis em papel chamois igualmente como sello typo.
Percebendo o erro eliminou estes numeros e desde ha annos até hoje, a numeração do catalogo Yvert-Tellier do 93 passa para o 95, e nos sellos Jornaes de 21 passa para o 23.
Entre os annos de 1894 até 1905 fez desapparecer um numero consideravel de sellos typos, que reclamam numeração propria mas que ficam ou completamente ignorados, ou rebaixados a variedades. Nos ultimos annos em uma nota intercalada confessa, que A’ LA RIGUEUR os sellos 200 Réis da emissão de 1900 deviam ser considerados sellos typicamente distinctos. A tudo isto estavamos mais ou menos acostumados, e o colleccionador, que adquiriu algumas noções philatelicas não se deixa enganar pelos erros do Catalogo Yvert; porem, a catalogação de 1920 á 1925 é insupportavel. Nenhuma das regras,- que o Yvert na catalogação dos outros paizes religiosamente observa -, na catalogação dos sellos do Brasil é observada.
Veja-se como distingue os sellos inglezes em sellos typos pela mudança de filigrana; veja-se como sabe distinguir os sellos alemães do tempo da inflação monetaria, quando devia a rapida depreciação do dinheiro e emissões mal podiam acompanhar a queda da moeda havendo emissões dos mesmos sellos com diversas filigranas ao mesmo tempo.
Infelizmente a nossa Casa da Moeda, por motivos razoaveis, teve que mudar a filigrana nos sellos dos mesmos desenhos e das mesmas cores, diversas vezes nos ultimos annos. Porque não valem para nós as mesmas regras, que valem para os sellos de outros paizes?
Reconhecemos a dificuldade de obter dados certos sobre emissões, que estão em circulação. Isto poderia desculpar um ou outro engano; jamais ignorando que a emissão de 1920 começava em papel sem filigrana, e que os valores altos da mesma emissão só encontram-se em papel filigranado.
Não deveria ignorar os valores que depois, appareceram com filigrana Estados Unidos do Brasil, que outros Catalogos e o manual de Senf devidamente classificaram com 7 valores e não 16 como appareceu no Ivert.
Para não tomar como pretexto a falta de dados exactos, temos offerecido aos Snrs. Yvert-Telliers-Champion uma numeração exacta, pedindo-os servir-se, do nosso trabalho para a redacção do Catalogo de 1927, afim de evitar, que o catalogo para os brasileiros seja inaproveitavel.
J.K.

________________________________________________________

                                          ECHOS

Exposição Philatelica na Argentina
por occasião do Centenário dos Correios

Por occasião do 1º Centenário da Fundação dos Correios, na Argentina, a Sociedade Philatelica Argentina resolveu commemorar essa data realizando uma Exposição Internacional Philatelica, que tera lugar em Buenos Ayres no mez de Setembro de 1926.
A commissão organizadora da exposição ficou assim constituida:
Presidente: Dr. Ricardo D. Eliçabe
1º Vice Presidente: Ernesto Marcó del Pont
2º Vice Presidente: Félix Simon
Secretário Geral: D. Esteban F. Caride
Secretários: Drs. Julio César Arata, e Walter Yakob
Thesoureiro: Eduardo Rocha Filho

Nova Serie de Sellos Commemorativos

Em 1º de julho de 1926, por occasião do Centenário do Correio Argentino, se emittira uma serie especial de sellos, em commemoração desse centenário. Haverá alguns com effigie de diversas personalidades argentinas; outros, com vista do antigo edifficio occupado pela direcção geral dos Correios; e, outros com o novo palacio que esta quasi prompto no passeio Leandro N. Alem.

INTERNACIONAL STAMP EXHIBITION
New-York _ Outubro de 1926

No próximo mez de outubro, realisar-se-ha em New-York, uma exposição internacional de sellos, que será a maior do mundo, até hoje realizada.
Um dos fins principaes do Comité da Exposição, será demonstrar publicamente que a Philatelia pode ser um elemento de Educação e Instrucção.
Para Presidente Geral da Exposiçã fpi escolhido o snr. Charles Lathrop que é uma summidade no campo da philatelia; para presidente do Comité o snr. Alfred F. Lichtenstein.
O Jury será constituido de eminentes philatelistas de todos os centros philatelicos: 3 serão escolhidos nos Estados Unidos, 2 na Gran Bretanha e um de cada paiz: do Canadá, principaes paizes da Europa, America do Sul, Africa do Sul, India, Australia e Japão.
Até hoje foram convidados a servir naq commissão do Jury os snrs.:
W.D. Beckton – Manchester, Gran Bretanha
Thomas Willian Hall – London, Gran Bretanha
Fred J. Melville – London , Gran Bretanha
Dr. Emilio Diena – Roma, Itália
The Hon. J.A. Calder – Ottawa, Canadá
Imejiro Kimura – Toquio, Japão
Dr. Herbert Munk – Berlim, Allemanha
Alberto Philipp Mendoza – Mexico, Mexico
Abraham Odfjell – Minde, Noruega
Dr. Mario de Sanctis – São Paulo, Brasil
N.V. Strandell, B.A. – Stockholm, Suecia
Emil Tamsen – Transwall, Africa do Sul
Adolph Weinberger – Brno, Czechoslovakia
Ernesto Marco’ del Pont – Buenos Aires, Argentina
Para qualquer informação com o secretário snr. Charles M. Ams – 101 – Park Avenue – New York.

________________________________________________________

                       Ainda o Catalogo Yvert – 1926

Nos primeiros dias do mez de Outubro de 925, dos infatigaveis editores franceses de Amiens, snrs. Yvert-Tellier-Champion temos recebido o catalogo para o anno de 1926; e de uma rapida leitura que fizemos, verificamos que, no que se refere a Brasil, principalmente para as emissões de 1920 a 1925, não é criterioso e não é exacto na numeração e classificação dos nossos sellos pois não são pouco os erros encontrados. Porem como os Editores mencionados insistem em conservar a numeração ja adoptada, por motivos puramente commerciaes, tivemos a idéa _ (fazendo todas as nossas reservas, e não approvando a Catalogação errada, por ellles adoptada que é absolutamente falsa) _ de suggerir aos snrs. Yvert-Tellier-Champion algumas modificações a introduzir na edição de 1927. Suggestões essas que não devem ser interpretadas como approvação da catalogação escolhida pelos editores Yvert Tellier, pois que tratando-se de emissões recentes em curso, deveriam ouvir conselhos, e aproveitar as informações que lhe foram fornecidas pela comissão de Catalogo da S.P.P.
Damos a seguir a carta-aberta que foi endereçada aos Editores de Amiens.

S. Paul (Brésil) Novembre 1925
Messieurs
Yvert-Tellier-Champion Amiens.

Messieurs

L’ édition pour 1926, si bien présentée, du catalogue Yvert & Tellier Champion, que nous avons sous les yeux, contient, dans sa partie spécialement affectée aux timbres du Brésil, des inexactitudes regrettables qu’il nous parait important de voussignaler dans l’intérêt même de sabonne réputation et des philatélistes en général.
Au Brésil comme dans nombre d’autrée pays, la plupart des philatélistes ont, jusqu’a présent, basé leurs transactions en timbres-poste sur le catalogue Yvert & Tellier Champion. Toutefois, la grande majorité d’entre eux expriment leur mécontentement de la maniére défectueuse dont les timbres de leur pays y sont mentionées, sans aucun doute par suite d’une documentation insuffisante des éditeurs; ils pensent que si ceux ci ne se décident pas á y remédier bientôt, ils seront obligés d’accorder désormais leur préference á un catalogue concurrent, par exemple á Stanley Gibbons ou a Senf, qu’ils considérent comme élaborés avec plus d’exactitude.
Nous croyons donc vous rendre un réel service en vous engageant á faire droit á leurs légitimes revindications et á réaliser aussitôt que possible les améliorations ci-aprés:
Il importerait de faire, l’instar de plusieurs autres catalogues, une distinction entre les emissions successives des timbres-poste brésiliens des types actuels, lesquels ont été imprimés d’abord sur papier sans filigrane, ensuite sur papier filigranés. Il y en a eu ainsi quatre émissions différentes, a savoir:

1º _ L’émission initiale de 1920, sur papier non filigrané, qui se composait de toutes les valeurs mentionnées dans votre catalogue sous les numeros 163 a 181. Cette numération pourrait leur être conservée. Cependant, les valeurs de 600 réis, de 1000 reis, de 2000 reis et de 5000 reis se présentet parfois sans filigrane, bien qu’appartenant, en réalité, à l’émission suivante, qui était filigranée; cet aspect est accidentel, et est celui des timbres composant les deux rangées (extrémes de filigrane), de certaines feuilles, sur lesqueles le filigrane n’a pas porté.

2º _ En 1922, l’impressin fut faite sur papier portant le filigrane CASA DA MOEDA, s’etendant sur toute la largeur de chaque feuille; chaque timbre port donc seulement une ou deux lettres du filigrane.
Quant aux valeurs de 25 reis lilas, de 50 reis vert, et de 80 reis vert avec ce même filigrane, ils sont três rares et méritent une cote bien plus élevée que leurs similaires non filigranés.

3º _ En 1923 a paru l’emission sur papier portant le filigrane ESTADOS UNIDOS DO BRASIL (une ou deux lettres par timbre); sa duré a été très courte. Elle comprend seulement sept valeurs: 10 reis brun violet; 20 reis gris olive; 40 reis brun; 50 reis brun rouge; 100 reis orange; 200 reis rouge et 400 reis bleu. Toutes les autres valeurs mentionnées dans votre catalogue comme portant le filigrane ESTADOS UNIDOS DO BRASIL doivent donc en êntre éliminées.

4º _ Fin 1924, le filigrane ESTADOS UNIDOS DO BRASIL a été remplacé par le filigrane CASA DA MOEDA et ETOILES, act uellement en cours: Votre catalogue est exactement renseigné à cet égard.
Logiquement, ces quatre émissions devraient être cataloguées séparément. Toute fois, afin de na pas bouleverser l’orde de la numération actuele dispositif des albums Yvert & Tellier, on pourrait adopter le mode de classement ci-aprés, ou  tout autre présentant les mêmes avantages sous le point de vue de l’exactitude;

I) _ La primière émission (timbres sans filigrane continuerait`a être cataloguée sous les numéros 163 a à 181 a.

II) _ Pour les timbres de la deuxiéme émission, fligranée CASA DA MOEDA, on adopterait les mêmes, numéros en y adjoignant le lettre a; ils seraient donc désignés par les numéros 163 a, à 181 a.

III) _ Les timbres de la troisieme émissinon, portant le filigrane ESTADOS UNIDOS DO BRASIL, seraient catalogués comme suit:

163b – 10 reis violet brun
164b – 20 reis gris olive
166b – 40 reis brun
168b – 50 reis brun rouge
171b – 100 reis orange
174b – 200 reis rouge
176b – 400 reis bleu

IV) _ Enfin, le lettre distinctive c, adjointe aux numéros correspndants, servirait à désigner les timbres filigranés CASA DA MOEDA et ETOILES, en remplacement de la lettre b employée à cette fin dans le catalogue de 1926.
Nous avons la conviction que vous admettrez le bien-fondê de ce que, vous inspirant de votre intéret judicieusement compris; quil est inséparable de la bonne réputation de votre catalogue, vous introduirez dans la prochaine édition de celui-ce les modifications indiquées.
Le monde philatélique pourrait y être préparé par la publication d’un avis ah hoc dans l’Echo de la Trimbologie et dans le Bulletin Theodore Champion, l’un e l’autre aussi apréciés que réparandus.
Veuillez agreer, Messieurs, l’assurance de notre consideration distinguée.

Dr. Raimo

________________________________________________________

                                          Varias

A Primeira Revista Philatelica no Brasil
Uma enquête

Por sugestão de nosso prezado Amigo Dr. Menezes de Oliva, chefe da 1ª Secção do Museu Histórico Nacional, vamos fazer uma enquête em torno das mais antigas publicações philatelicas do Brasil, achando interessante saber-se quando e por quem, e onde começou o movimento da imprensa philatelica entre nós.
Qual a primeira revista sobre o assumpto? Quem teria subscripto os primeiros artigos sobre philatelia nacional?

__________________

NOVIDADES – Brasil

Nova “Taxa Devida” de 600 Reis

Foram postas em circulação no dia 5 de dezembro p.p. os novos sellos do Correio de taxa de 600 reis, para cobrança do porte e respectiva multa da correspondencia não franqueada.
Os novos sellos medem 18m/m de altura por 22m/m de largura, e têm os seguintes caracteristicos:
No alto em uma faixa curva, lê-se e, letras brancas – “Brasil-Correio” na parte inferior, tambem em letras brancas e em outra faixa curva acham-se as palavras – “Taxa Devida” – o centro do sello é occupado por um rectangulo branco com os algarismos do valor, e abaixo desse rectangulo, um quadratim com a palavra – “Reis”. Todos os desenhos descriptos apparecem em um fundo formado de traços brancos cruzados, que enchem todo o sello. A impressão é feita pelo processo typographico em cor roxa.
O sello foi impresso em papel c/ filigrana ESTRELLAS; e é denteado 11×10 1/2.

Ministerio da Viação e Obras Publicas
Directoria Geral dos Correios
Sub-Directoria de Contabilidade

___________________________

Emissão das novas cintas das taxas de $020, $040, e $060 para impressos.

Pelo presente editalfaço publico que, no prazo de 90 dias, a contar desta data, entrarão em circulação as novas cintas das taxas de $020, $040 e $060, para impressos, cujos caracteristicos são os seguintes: à esquerda, em côr verde-escuro, acha-se impresso o sello que tem, no alto, em uma placa em sentido curvo para baixo, em lettras brancas, a palavra – Brasil -. Ao centro, estão os alagrismos do valor sobre a palavra – Réis – cercados por uma linha dupla em arco que, curvando-s para baixo termina em pequenos ornatos que se prendem a uma placa em horizontal, onde em lettras brancas se lê – Correio. A parte mais larga do sello mede 0m,016 e a mais alta 0m,019.
Sub-Directoria de Contabilidade, 12 de dezembro de 1925. Servindo de Sub-director, Francisco Pereira Lessa, chefe de secção.

____________________________

Augmento da Taxa na Correspondencia “Expressa”
Directoria Geral dos Correios

Directoria Geral dos Correios Sub Directoria de Contabilidade – 1ª Secção – Circular 1-C/1ª
Rio, 5 de Janeiro de 1926
Confirmando o meu telegrama de 2 do corrente, recommendo-vos o imediato cumprimento do artigo 1º – VII-nº83, da lei nº 4.984, de 31 de dezembro findo, que orça a receita para o corrente ano.
A taxa fixa de objectos de correspondencia “Expressa”, foi elevada de $500 para $800.
Saude fraternidade – O Director geral, Severino Neiva.
Sr. administrador dos Correios de….
(Exp.1-C/26)

____________________________

S.P.P.

“SECÇÃO DE TROCAS”

Occasião unica – Portugal e Colonias

Encontra-se na Secção de Trocas, já collocada em cadernos, uma rica collecção de sellos de Portugal e Colonias, com todas as variedades e erros, que a S.P.P. adquiriu para beneficiar os consocios que desejam especializar e completar suas collecções, encontrando bons sellos por preços vantajosos.
A Secção de Trocas fucciona todas as quartas-feiras ás 8 horas da noite.
Aproveitem dessa occasião unica.

____________________________

Seccção do Catalogo

Pede-se a todos os srs. consocios da S.P.P. por obsequio communicar á Sociedade, por escripto, as proprias observações a respeito de variedades de papel, denteações, corês, filigranas, e se for possivel juntar um exemplar comprobativo, que será devidamente devolvido. Convem que as comunicações sejam datadas e assignadas, podemdo-se referir a qulquer emissão dos sellos do Brasil.
Serão archivadas, e servirão para os estudos dos consocios, e para a catalogação.

____________________________

Bibliotheca da S.P.P.

Pedimos aos srs. consocios de nos enviar, para a bibliotheca de S.P.P. toda e qualquer publicação philatelica, e demais revistas do genero.

________________________________________________________

                             UM ERRO DESCONHECIDO

Grande raridade

Na collecção do sr. J.Kloke, temos deparado com um sello de 100 Reis “Cruzeiro”, com a côr do sello de 300 Reis. O carimbo tapa infelizmente, o algarismo 1, mas não é tão forte, que não deixe ver, por um bom vidro de augmento, os contornos nitidos do algarismo 1.
Sabemos do sr. Kloke, que o sello foi encontrado entre sellos de 300 Reis n’uma casa philatelica de Berlim, e foi remetido ao sr. Kloke pelo celebre redactor do grandioso Manual philatelico “Kohl” Dr. Herbert Munk depois de ser examinado pelos grandes expertos Thier – Dr. Kalckhoff, etc.
Todos constataram que realmente é um sello de 100 Reis; que uma falsificação chimica da côr de 100 Reis para esta modificação é impropria.
O snr. Klike interessando-se pelo sello devolveu-o perguntando o preço, e como foram pedidos Lib.5, comprou o sello. O sr. Kloke procurando uma explicação para a existencia dete erro julga, que um cliché de 100 Reis na occasião da limpeza das chapas por algum tempo esteve na chapa dos 300 Réis. Sendo a unica differença o pequeno algarismo 1 em vez de 3, e o erro passou despercebido.

________________________________________________________

        ANNUNCIOS ECONOMICOS – Rs.1$000 a linha

Bre’sil. _ Je cherche-et j’achete au comptant – Obliterations sur timbres des emissions 1843-1880; unités, paires,bandes et blocks, detaché et sur lettres entiéres.
Dr. Mario de Sanctis – Boite Postal, 872, S.Paulo

Domingos Paladino. Deseja receber á escolha sellos do Brasil, Portugal e Colonias, em perfeito estado – Caixa Postal, 333 – S. Paulo

Moedas do Brasil – Vende-se uma boa collecção de moedas do Brasil – Tratar-se a Rua Liberdade, 33 (sobr.) – S. Paulo

Numismatica Brasileira – Optima collecção de Moedas do Brasil, a vende pelo valor real, Informações – Caixa Postal, 872 – S.Paulo

Carimbos do Brasil – Pagando os melhores preços, procuro qualquer quantidade de sellos do Brasil do anno 1850 a 1880 com carimbos. Pares – Tiras _ Blocos; avulsos ou sobre cartas. – Offertas a Dr. Mario de Sanctis, Caixa Postal, 872 – S. Paulo.

Sellos do Brasil

Todos tratam de augmentar os seus conhecimentos philatelicos e complementar a sua collecção de sellos do Brasil. O melhor meio de alcançar esse desideratum é alistar-se á Sociedade Philatelica Paulista.

Colecção de sellos do Brasil

Para principiante vende-se boa collecção de sellos typos do Brasil (faltando somente os 3 inclinados) – Todos os sellos escolhidos. Trata-se na Sociedade Philatelica Paulista, com o secretario.

________________________________________________________

O segundo Boletim Informativo da S.P.P. foi editado em março de 1926!!!
Aguardem….