“De como se inventou as perfurações em selos postais”
25/10/2011
Série Relações Diplomáticas Brasil Bélgica
27/10/2011
Exibir tudo

Série Relações Diplomáticas: Brasil Sérvia

Correios lançam mais um selo da série Relações Diplomáticas!

 
Ivo Andric’                                                 Rachel de Queiroz 

Emissão Especial Série Relações Diplomáticas: Brasil – Sérvia
Rachel de Queiroz e Ivo Andric´ – A literatura unindo continentes

Sobre os Selos

Os selos retratam os dois autores homenageados. No primeiro, tem-se a imagem da autora Rachel de Queiroz. No canto inferior direito, encontram-se a representação da assinatura da autora e um diploma em referência ao Prêmio Camões, destinado a autores de língua portuguesa, recebido por Rachel em 1993. Abaixo do diploma, duas obras sobrepostas, e, ao fundo, uma estante de livros, destacando sua vida literária. O segundo selo focaliza o escritor sérvio Ivo Andric´. Na peça também estão reproduzidos a medalha e o diploma recebidos pelo autor na ocasião do Prêmio Nobel de Literatura, em 1961. Foi utilizada a técnica de computação gráfica e fotografia.

Detalhes Técnicos

Edital nº 25
Arte: Marina Kalezic´
Colaboração: Arquivo ABL
Processo de Impressão: Ofsete
Folha com 30 selos
Papel: Cuchê gomado
Valor facial: R$2,55 cada selo
Tiragem: 300.000 selos
Área de desenho: 35mm x 25mm
Dimensões do selo: 40mm x 30mm
Picotagem: 11 x 11,5
Data de emissão: 26/10/2011
Locais de lançamento: Brasília/DF, Fortaleza/CE e Belgrado/Sérvia
Peça filatélica: Envelope de 1º Dia de Circulação
Tiragem dos envelopes: 8.000 unidades da Série Relações Diplomáticas 2011
Prazo de comercialização pela ECT: até 31 de dezembro de 2014
Código de comercialização: 852009089

Série Relações Diplomáticas: Brasil – Sérvia
Rachel de Queiroz e Ivo Andric´ – A literatura unindo continentes

Os Correios, por meio da emissão conjunta de selos entre Brasil e Sérvia, da Série Relações Diplomáticas, retrata laços de amizade entre os dois países, homenageando dois escritores ilustres, cujas obras literárias levaram para o mundo as histórias de sua terra e de seu povo.

Rachel de Queiroz

Rachel de Queiroz nasceu em Fortaleza, em 17 de novembro de 1910, e morreu em 4 de novembro de 2003. Passou a infância em sua cidade natal, em uma fazenda do interior cearense. Muito jovem, publicou o romance O Quinze, que entusiasmou o País. Logo após, seu segundo romance, João Miguel, superou o primeiro, e Rachel se transformou num dos maiores nomes da literatura brasileira. Cronista de larga experiência em jornal, fez também obras de teatro. Seu
estilo, de um realismo ao mesmo tempo didático e lírico, influiu em escritores de novas gerações no Brasil. Foi a primeira mulher eleita para a Academia Brasileira de Letras, em 1977, e ocupou a cadeira número 5.
Quando jovem, participou de algumas movimentações políticas, sendo uma das fundadoras do Partido Comunista em seu estado. Contudo, se afastou da vida política nos anos 1940, pois passou a não concordar com os rumos do programa revolucionário e, também, porque se preocupava com uma possível restrição no que concerne à sua liberdade artística.
Foi uma das pioneiras na fórmula do romance de ciclo nordestino, que buscava naquele ambiente social, cultural e geográfico os seus elementos temáticos, os tipos de problemas, os episódios que seriam transformados em matéria de ficção. O Quinze é um romance de cunho social, em que a autora aproveita observações da terrível seca de 1915, que ela acompanhou com os olhos de uma menina de apenas cinco anos.
Foi duas vezes convidada para ser ministro, a primeira pelo Presidente Jânio Quadros, e outra pelo primo Presidente da República, Humberto de Alencar Castelo Branco, mas recusou em ambas as oportunidades. “Não nasci para isso. Sou escritora, e olhe lá”. – costumava repetir para os seus amigos mais íntimos. E confessava: “Mesmo que isso me canse muito”.
Ela gostava de se considerar preguiçosa, o que não correspondia à realidade. Escreveu alguns dos mais preciosos romances da literatura brasileira, além de milhares de crônicas, especialmente a famosa Última Página, na fase áurea da revista O Cruzeiro. Destaca-se, particularmente, o valor do livro Memorial de Maria Moura, escrito já aos 83 anos de idade, com a valiosa colaboração da sua querida irmã Maria Luíza. Essa obra tem um enredo cinematográfico, o que ajudou muito a fazer com que a televisão aproveitasse os seus originais para uma vitoriosa minissérie. Aliás, sempre afirmamos que a epopéia vivida pela corajosa heroína nordestina poderia muito bem serautobiográfica.
Quando recordamos a vida e a obra de Rachel de Queiroz, só um sentimento nos domina: saudade.

Arnaldo Niskier
Academia Brasileira de Letras

Ivo Andric´

Ivo Andric´ (1892 – 1975), um dos maiores escritores sérvios, nasceu em Travnik. Completou a escola elementar em Visegrad, cidade que seria responsável por fazer florescer sua criatividade mais do que qualquer outro local, pois ele passaria seus dias admirando os finos arcos da ponte sobre o Rio Drina. Andric´ continuou sua educação na Escola de Gramática de Sarajevo, a mais antiga escola na Bósnia Herzegovina. Foi nesse momento de sua vida que começou a escreverpoesia, e, em 1911, publicou seu primeiro poema, U sumark (O bosque), na revista Twilight. Foi também durante o secundário que Andric´ passou a se interessar por política e defender ativamente a causa iugoslava. Fez parte do movimento nacionalista Mlada Bosna (Jovem Bósnia) e lutou pelaliberação dos povos eslavos, na época dominados pelo Império Austro-Húngaro.
Andric´ estudou história, filosofia e literatura nas universidades de Zagreb, Viena, Cracóvia e Graz. Inclusive, o autor testemunhou a queda do Império Austro-Húngaro e o surgimento do reino dos sérvios, croatas e eslovenos enquanto estudava na Universidade de Zagreb. Ivo trabalhou como servidor público no Ministério da Religião, em Belgrado. Fez uma carreira de sucesso no Vaticano, em Bucareste, Graz, Belgrado Marselha, Paris, Genova e Berlim. Contudo, nunca deixou de lado a literatura, tendo escrito no período mais de cem contos e ensaios. Mas a maior parte de seus romances foram escritos durante a II Guerra Mundial, em Belgrado: Travnika hronika (A História Bósnia), Na Drini´cuprija (A ponte sobre o Drina) e Gospodica (Perda). Todosesses romances foram publicados após o fim da guerra.
Ivo Andric´ continuou seu trabalho frutífero em Belgrado, onde escreveu diversos contos, as novelas Proketa avlija (O Jardim Condenado) e Omespasa Latas, sendo que a última nunca foi terminada.
“Por sua força épica,” com a qual “moldou os temas e fatos da história de seu país”, Andric´ recebeu o Prêmio Nobel de Literatura em 1961. Ele expressou sua gratidão pelo reconhecimento de sua obra em 10 de dezembro do mesmo ano, no discurso On Stories and Storytelling (Sobre estórias e a arte de contar estórias), no qual ele expõe os princípios básicos de seu estilo de escrita. Apesar de seu trabalho ter sido traduzido para diversas línguas antes mesmo do Prêmio Nobel, foi após o recebimento deste que grande parte do mundo se interessou por suas obras sobre os Bálcãs. Suas novelas e contos foram traduzidos para quase cinquenta línguas. Em 13 de março de 1975, este grande literato da Sérvia, escritor da mitificação dos poderes e sábio cronista dos Bálcãs, deixou este mundo.

Radovan Vučković, Presidente do Conselho Administrativo
© Fundação Ivo Andrić, Belgrado, Sérvia


Edital nº 25