7º Encontro Internacional de Filatelia
01/10/2010
Bloco da Biodiversidade
08/10/2010
Exibir tudo

É Falta!!

Matéria Filatélica publicada no Boletim nº 207 da SPP abril 2010.

É Falta!

por Agnaldo de Souza Gabriel

Assim como no futebol, a Maximafilia também tem suas regras oficiais, determinadas pela Federação Internacional de Filatelia (FIP). A não observação das concordâncias corretas pode descaracterizar o máximo postal, cometendo assim uma falta.
Algumas faltas são mais fáceis de verificar visualmente. A mais simples é verificar a existência dos três elementos que compõe o máximo postal. Para ser considerado um máximo postal é necessário termos, no anverso (frente) do cartão-postal, o selo e o carimbo aplicados em concordância. Se o selo e/ou o carimbo estiver no verso do cartão-postal não podemos considerá-lo como tal. (A)
Outra falta que pode ser verificada visualmente é a concordância de tema, ou seja, a imagem retratada no cartão-postal deve evidenciar o tema escolhido do selo. Se o postal não traz nenhum dos elementos que aparecem no selo, mesmo que como temas secundários, não há o máximo postal. (B)
Porém, nem sempre a falta é tão simples assim de se perceber… Vejamos alguns exemplos:

Surfe, da série esportes radicais, de 2000. Cartão-postal publicitário, emitido pela Postcard. Selo e carimbo trazem a imagem do surfista, o carimbo é de primeiro dia de circulação e muito bem aplicado em área clara, destacando ainda mais o conjunto. Visualmente muito bonito! Mas falta a concordância de local, visto que em Brasília não temos mar, muito menos a prática do surfe. (1)


Palácio da Alvorada, selo em homenagem ao Presidente Fernando Henrique Cardoso, de 2003. Cartão-postal emitido pela Ed. Lady, nº 01/66. Selo e carimbo trazem a imagem do Palácio e o carimbo é de primeiro dia de circulação. Novamente temos a falta da concordância de local, pois o carimbo é de São Paulo/SP, quando o correto seria de Brasília/DF. (2)


Navio Vapor Kasato Maru, selo em homenagem aos 80 anos da imigração japonesa, de 1988. Cartão-postal emitido pelo Clube Filatélico e Numismático de Santos, reproduzindo uma imagem pré-existente ao selo. Carimbo de primeiro dia de circulação. Outra vez temos falta da concordância de local, pois o carimbo é de São Paulo/SP, e o navio aportou em Santos/SP. (3)


Pescador, da série tipos e profissões, de 1977-1980. Cartão-postal emitido pela Mercator, nº 04 da Coleção Pensamentos, retratando um pescador. Carimbo comemorativo do Dia do Pescador, de 30/06/1986, com um pescador lançando sua rede. O erro está no selo, que na data não tinha mais valor de postagem, visto que foi desmonetizado em 28/02/1986 pelo Plano Cruzado. (4)

 
Selo-etiqueta (autômato) SE-2, agência VA.00005 (Leblon), de 1981. Cartão-postal particular. Carimbo de expedição da agência Leblon, do Rio de Janeiro/RJ, de 10/06/1981, primeiro dia de uso do selo. O cartão-postal é uma reprodução exata do selo, inclusive trazendo o nome do país emissor, o valor facial e até as marcas de imitação da denteação. É uma das proibições de cartões-postais. (5)
 
Escola de Samba: bateria, da série Carnaval, de 1983. Cartão-postal emitido pela Edicard, nº 300-V-14, do Rio de Janeiro/RJ. Carimbo de primeiro dia de circulação, do Rio de Janeiro/RJ. O cartão-postal, neste caso, tem múltiplas figuras. É outra das proibições de uso dos cartões-postais. (6)


Selos do centenário da emissão Dom Pedro “Cabeça Pequena”, de 1981. Cartão-postal emitido pelos Correios. Carimbos de 1º dia e comemorativo de São José do Rio Preto/SP. Neste caso – feito depois de 1978, quando o “Estatuto Internacional de Maximafilia” foi aprovado – a peça contém três selos, ou seja, tem mais selos do que o permitido. (7)

As Regras da FIP citadas neste artigo:

(A) SREV, artigo 3.1. O selo postal: – O selo postal deve ser válido para postagem e deve ser afixado somente no lado ilustrado (o anverso ou frente) do cartão-postal. Selos de taxa, pré-cancelados, selos fiscais e selos que violem o “código de ética filatélica da UPU (União Postal Universal)” não são permitidos, assim como selos oficiais, exceto aqueles que estão à disposição do público (Nações Unidas, UNESCO, Concílio da Europa). Os selos que são retirados/recortados de um bloco são permitidos somente se o serviço postal permitir assim sua utilização.

(B) Guidelines, artigo 4.3. Conhecimento e pesquisa da coleção: – A concordância de tema é a característica essencial de um verdadeiro máximo postal. A concordância entre a ilustração do selo e a do cartão-postal deve ser a melhor possível e visivelmente verificável.

(1) Guidelines, artigo 4.3. Conhecimento e pesquisa da coleção: – O máximo postal mostrando atividades esportivas é melhor se obliterado em lugares onde estes esportes são praticados.

(2) Guidelines, artigo 4.3. Conhecimento e pesquisa da coleção: – Para monumentos, paisagens e lugares, só há um lugar que admite a concordância exigida: é o lugar onde o monumento, a paisagem ou o lugar está localizado. Se o lugar não tem agência postal, aquela que serve o lugar deve ser escolhida ou então aquela mais próxima do lugar.

(3) Guidelines, artigo 4.3. Conhecimento e pesquisa da coleção: – Quando o selo mostrar, por exemplo, um avião, um trem ou um navio, a obliteração deve ser feita em um lugar onde exista um aeroporto, uma estação ferroviária, um porto ou um serviço postal a bordo relacionado com o tema.

(4) Guidelines, artigo 4.3. Conhecimento e pesquisa da coleção: – A concordância de tempo é definida pela data da obliteração, dentro do período de validade do selo postal

(5) SREV, artigo 3.2. O cartão-postal ilustrado: – A ilustração do cartão-postal deve oferecer a melhor concordância com o tema do selo postal ou com um dos temas presentes no selo, caso hajam muitos. Todos os cartões-postais que sejam reproduções dos selos, ou seja, com denteação, valor de face, nome do país emissor, são proibidos.

(6) SREV, artigo 3.2. O cartão-postal ilustrado: – A ilustração do cartão-postal deve enfatizar o tema do selo postal. Os cartões-postais existentes no mercado são aceitos tal como são. Eles podem ter margens e um texto diretamente conectado com o tema. Cartões-postais antigos podem ter no anverso (frente) uma área para correspondência. Com exceção destes cartões-postais antigos, quanto maior a imagem da ilustração, melhor a qualidade do máximo postal a ser considerado. Cartões-postais com múltiplas figuras, assim como aqueles com hologramas são proibidos.

(7) Guidelines, artigo 3.1. – O selo postal: – Somente um selo postal deve ser afixado na parte ilustrada (anverso) do cartão-postal. Antes de 1978, quando o “Estatuto Internacional de Maximafilia” foi aprovado, máximos postais com mais de um selo são tolerados, desde que um ou mais dos selos presente seja concordante com a ilustração do cartão-postal.

Referências:

1) Catálogo de Selos do Brasil, Editora RHM Ltda., 2010, 57ª edição;

2) Federação Internacional de Filatelia (FIP), Diretrizes para Avaliação das Participações de Maximafilia em Exposições FIP (Guidelines), Málaga/Espanha, 2006, aprovada em Luxemburgo, 2007;

3) Federação Internacional de Filatelia (FIP), Regulamento Especial para a Avaliação de Participações de Maximafilia (SREV), Málaga/Espanha, 2006, aprovado em Luxemburgo, 2007;

4) Peças do acervo do autor.